Egoísmo, esterilidade e sacrilégio: a antirreligião de Satanás

14 de outubro de 2018
Egoísmo, esterilidade e sacrilégio: a antirreligião de Satanás

Assim como a Igreja existe para a salvação eterna de todos, Lúcifer construiu aos poucos uma antirreligião, um catolicismo falsificado, que tem como propósito a condenação de todos os homens ao inferno.

Nós já vimos como Lúcifer, recusando-se a servir ao Deus da fertilidade e do amor sacrificial, mereceu sua própria isolação e esterilidade eternas, e como ele sempre procura conduzir as almas dos homens ao seu reino de egoísmo. Em particular, a recusa de subordinar o natural ao sobrenatural é o traço que o define. Isso explica o porquê de ele odiar o celibato e a virgindade mais do que qualquer coisa neste mundo.

Satanás odeia o Matrimônio pela mesma razão: também ele consiste em uma vida de autossacrifício — possível apenas graças à bênção divina —, um estado destinado a multiplicar os filhos de Deus, que terão o potencial de receber a elevação sobrenatural da graça e gozar da glória celeste, da qual se privou o demônio. Quão misterioso é o poder, dado ao ser humano, de gerar vida! Ser convidado a associar-se ao Criador! Tomar parte na origem da própria criação ex nihilo: eis um poder que nenhum espírito angélico possui. Trata-se de uma participação direta no ato criador de Deus.

Como explica o grande teólogo tomista Scheeben, se Adão e Eva não tivessem pecado, eles teriam transmitido não apenas a vida natural a sua descendência, mas também a vida sobrenatural: seus filhos seriam concebidos e nasceriam em estado de graça. É por isso que o demônio odiava tanto nossos primeiros pais, resplendentes de graça como eram: ele sabia que, a partir de seus corpos, floresceria toda uma raça destinada à glória imortal juntamente com os anjos. Ainda que nós agora estejamos em uma condição decaída, e não mais demos à luz “filhos de Deus” [1], permanecem conosco o privilégio da procriação e a liberdade de cooperar com Cristo na santificação de nossos filhos.

Como o Papa Pio XI atesta com eloquência no maior documento pontifício já escrito sobre o Matrimônio e a família:

Para apreciar a grandeza deste benefício de Deus e a excelência do Matrimônio, basta considerar a dignidade do homem e a sublimidade do seu fim. Na verdade, o homem ultrapassa todas as outras criaturas visíveis, já pela excelência de sua natureza racional. Mas acresce que, se Deus quis as gerações dos homens, não foi somente para que eles existissem e enchessem a terra, mas para que honrassem a Deus, o conhecessem, o amassem e o gozassem eternamente no Céu; em consequência da admirável elevação do homem, feito por Deus à ordem sobrenatural, este fim ultrapassa tudo o que “os olhos vêem, os ouvidos ouvem e o coração do homem pode conceber” (cf. 1Cor 2, 9). Por isso se vê facilmente quão grande dom da bondade divina e que precioso fruto do Matrimônio é a prole, nascida pela virtude onipotente de Deus e com a cooperação dos esposos […].

Embora os cônjuges cristãos, conquanto sejam santificados eles próprios, não possam transmitir a sua santificação aos filhos, porque a geração natural da vida se tornou, ao contrário, caminho de morte, pelo qual passa à prole o pecado original, eles participam, todavia, de algum modo, da condição da primeira união no paraíso terrestre, cabendo-lhes oferecer a sua prole à Igreja, a fim de que esta mãe fecundíssima de filhos de Deus a regenere pela água purificadora do Batismo para a justiça sobrenatural e a torne prole de membros de Cristo, participantes da glória, à qual todos aspiramos do íntimo do coração (Casti Connubii, 13-14).

Satanás fez o que estava a seu alcance para frustrar esse plano — e assim ele faz com cada um de nós, se o deixarmos agir. O diabo se opõe tanto à geração natural quanto à sobrenatural: ele procura impedir que homens e mulheres usem o dom de sua sexualidade para trazer mais vida ao mundo; ele procura convencê-los a matar o fruto que carregam; ele procura afastá-los da fonte de imortalidade que são os sacramentos da Igreja.

Odiando a procriação, ele reuniu todas as suas forças a fim ou de impedi-la por meio da contracepção ou de destruir os seus frutos por meio do abortoA contracepção é uma abominação da desolação no meio do templo, que é o corpo humano santificado pelo Espírito Santo: através dela, o Deus que dá vida é expulso como se fosse um espírito mau, e em seu lugar é entronizado o espírito da luxúria e da avareza, que faz do ventre estéril sua casa, como uma igreja sem sacrário e sem Presença Real.

Contra o espírito demoníaco de egoísmo, os cônjuges cedem o direito que têm de autodeterminação sobre seus próprios corpos justamente quando prometem amor fiel um ao outro até a morte, venha o que vier. Cristo, também, é fiel à sua Igreja, aconteça o que acontecer, e nunca desiste de seus membros pecadores até que todas as pessoas destinadas à glória alcancem a Pátria.

À luz da fidelidade de Deus ao povo pecador de Israel, bem como da fidelidade de Cristo à sua Igreja ainda imperfeita, o divórcio não passa de uma ficção irredimível; o adultério, de uma abominação; e a Comunhão eucarística para “recasados”, de um ato de sacrilégio por meio do qual o Salvador é cuspido, flagelado, coroado de espinhos e crucificado no seu Santíssimo Sacramento.

Não nos iludamos a esse respeito: Lúcifer, com sua pseudopaciência de espírito imortal, construiu aos poucos uma antirreligião, um catolicismo falsificado, que tem como propósito a condenação eterna dos seres humanos, assim como a religião católica tem como propósito a salvação eterna de todos:

  • o divórcio, e com ele o adultério, é o antissacramento do Matrimônio;
  • a contracepção, e a partir dela o aborto, é o antissacramento do Batismo;
  • a autoindulgência da masturbação e da homossexualidade é o antissacramento da Confirmação, que produz autocontrole e fortaleza;
  • a eutanásia é o antissacramento da Extrema Unção;
  • no lugar do sacramento da Ordem, há a paternidade negligente e o feminismo que odeia os homens;
  • no lugar do sacramento da Penitência, há a satisfação hedonista de todo apetite corporal;
  • no lugar da Eucaristia, há a idolatria do mundo, da carne e do demônio.

Agora podemos enxergar melhor a ligação entre a frase da Irmã Lúcia, de que “a batalha final entre o Senhor e o reino de Satanás será sobre o Matrimônio e a família”, e a condenação de Joviniano por negar a superioridade do celibato e da vida virginal consagrada a DeusFalsas doutrinas sobre o Matrimônio e o “relaxamento” na disciplina do celibato clerical são dois flancos de um mesmo exército que sitia a Cidade de Deus nesta terra.

Qualquer palavra e ação contra a santidade do Matrimônio, o bem da família ou as elevadas vocações à vida religiosa e sacerdotal, tem sua origem no General do exército, no Inimigo da humanidade. Ao enfrentarmos a pior confusão doutrinal e laxismo moral que a Igreja jamais suportou, imploremos ao Senhor, poderoso na batalha (cf. Sl 23, 8), que salve o seu povo e abençoe sua herança (cf. Sl 27, 9).

Notas

  1. No sentido completo e mais elevado da expressão, não somos capazes de gerar “filhos de Deus”. Para uma reflexão sobre os vários níveis da filiação divina na Criação, cf. O que a Igreja diz a respeito do uso de animais para experiências científicas? (Nota da Equipe CNP).

 

Fonte: https://padrepauloricardo.org/blog/egoismo-esterilidade-e-sacrilegio-a-antirreligiao-de-satanas

Foto: PublicDomainPictures.net / Domínio público.